Notice: Use of undefined constant idLogin - assumed 'idLogin' in /var/www/html/paginas/artigo.php on line 38
ABFO - Associação Brasileira de Fisioterapia em Oncologia - Artigos - Exercise Intervention in Pediatric Patients with Solid Tumors: The Physical Activity in Pediatric Cancer Trial

Artigos - Exercise Intervention in Pediatric Patients with Solid Tumors: The Physical Activity in Pediatric Cancer Trial


Você está localizado em: Home » Artigos - Exercise Intervention in Pediatric Patients with Solid Tumors: The Physical Activity in Pediatric Cancer Trial



Com a evolução da terapêutica nas últimas décadas, as taxas de cura de crianças com câncer atingiram quase 80%. Consequentemente, mais atenção está sendo dada para minimizar os efeitos tardios do tratamento oncológico. O interesse na intervenção com exercícios se concentrou principalmente em seu potencial para melhorar os efeitos dos tratamentos. Esta terapia não farmacológica apresenta efeitos benéficos nas funções fisiológicas e sistemas (musculoesquelética, o sistema nervoso central e o sistema cardiorrespiratório) afetadas pelo tumor ou pelas diferentes terapias.  Os dados disponíveis sobre os efeitos de um programa de exercícios em pacientes pediátricos com câncer são muito mais escassos em comparação com estudos com pacientes adultos com câncer. Assim, faltam evidências para a eficácia de um programa de exercícios no câncer pediátrico, particularmente em crianças com tumores sólidos submetidos a tratamentos mais agressivos.  O ensaio clínico randomizado ‘‘Physical Activity in Pediatric Cancer’’ determinou os efeitos de uma intervenção hospitalar de exercício combinando treinamento aeróbico e de força muscular em pacientes pediátricos com câncer com tumores sólidos submetidos quimioterapia neoadjuvante.

O presente estudo é um RCT (ClinicalTrials.gov ID: NCT01645436) que cumpriu as recomendações das Normas Consolidadas de Relatórios de Ensaios. Foi realizado de setembro de 2012 a setembro de 2015 (com o término do recrutamento em março de 2015). Todos os participantes foram avaliados em três momentos distintos: i) linha de base, ou seja, no início do tratamento (consistindo em quimioterapia neoadjuvante); ii) no término do tratamento; e iii) 2 meses após o término do tratamento. Os participantes foram alocados para  exercício (n = 24, 17 meninos; idade média  10  +- 1 ano) ou grupo controle (n = 25, 18 meninos; 11  +- 1 ano). O treinamento incluiu três sessões por semana durante 19  +- 2 semanas. Os participantes foram avaliados no início, final e 2 meses após o término do tratamento.  O desfecho primário foi á força muscular (avaliada pelos testes de cinco repetições máximas na parte superior e inferior do corpo). Os desfechos secundários incluíram aptidão cardiorrespiratória, capacidade funcional durante a vida diária atividades físicas, atividade física, massa corporal e índice de massa corporal e qualidade de vida (QV).

A maioria das sessões foi realizada no ginásio do hospital. A adesão ao programa foi em média de 68% e nenhum evento adverso importante ou problemas de saúde foram observados. Um efeito significativo de interação (grupo-tempo) foi encontrado para todos os testes máximos de cinco repetições (leg/supino e remada lateral; todos P  0,001). O desempenho aumentou significativamente após o treinamento (leg press: 40% [intervalo de confiança de 95% [IC], 15–41 kg); supino: 24% [IC 95%, 6–14 kg]; fileira lateral 25% [IC 95%, 6-15 kg]), enquanto uma tendência oposta foi encontrada nos controles. Valores pós dois meses tendeu a ser maior do que a linha de base para perna (P = 0,017) e supino (P = 0,014). Em contraste, nenhum efeito de interação significativo foi encontrado para qualquer um dos endpoints secundários.

Os resultados deste ECR mostram que um exercício intra-hospitalar pode ser aplicado com segurança para aumentar a força muscular em pacientes oncológicos pediátricos, com tumores sólidos submetidos tratamento neoadjuvante. O estudo representa um importante acréscimo ao conhecimento atual, porque os dados sobre a segurança de intervenções de exercícios em crianças muito debilitadas e imunocomprometidas como as aqui estudadas ainda são escassas, especialmente em tumores sólidos pediátricos.

Há uma necessidade particular de programas de exercícios direcionados precocemente no câncer pediátrico, não apenas porque o comprometimento a longo prazo da força muscular foi detectado em um número considerável número de sobreviventes de câncer infantil, mas também porque isso pode ser especialmente problemático em crianças, pois os músculos  são essenciais para a saúde e o crescimento.

Em geral, a força muscular humana sofre um impacto relativamente limitado, diminuir após períodos relativamente curtos de destreinamento, o que é devido, pelo menos em parte, a alguns aspectos do desempenho neuromuscular (isto é, recrutamento de unidades motoras). Sendo mantido durante períodos de destreinamento. No presente trabalho, embora o programa de exercícios não tenha  melhorado significativamente os resultados secundários, que são também importantes, como aptidão cardiorrespiratória, capacidade, níveis de AF ou QV, não induziu qualquer declínio e, de fato, a QV mostrou uma tendência de melhora após a intervenção do exercício.  

 Um programa de exercícios hospitalares para pacientes pediátricos com câncer com tumores sólidos submetidos a tratamento neoadjuvante aumenta a força muscular apesar da agressividade dessa terapia.

Comentários



Nenhum comentário encontrado. Seja o primeiro a comentar!


Inserir comentário




Currículo


Login







Recuperação de senha



Cadastro





2022 - www.abfo.org.br - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por:

Connect Core